Adoradores...

Contexto SAGRADAS ESCRITURAS, 21.fev.2017, Romanos 14

Não destruas por causa da comida a obra de DEUS. É verdade que tudo é limpo, mas mal vai para o homem que come com escândalo.
[Atos 10.15; Tito 1.15; Mateus 15.11; 18.6]
Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outras coisas em que teu irmão tropece, ou se escandalize, ou se enfraqueça.
[1Coríntios 8.13; Malaquias 2.8; Mateus 16.23; 18.7-10; Lucas 17.1-2]
Tens tu fé? Tem-na em ti mesmo diante de DEUS. Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova.
[1João 3.21; Atos 24.16; Romanos 7.15,24]
Mas aquele que tem dúvidas, se come está condenado, porque não come por fé; e tudo o que não é de fé é pecado. 
[Romanos 13.2; 1Coríntios 8.7; 11.29-31]

[035834]

fevereiro 15, 2017

Religiosidade, o mal dos séculos.


A religiosidade é uma qualidade do indivíduo que é caracterizada pela disposição ou tendência do mesmo, para perseguir a sua própria religião ou a integrar-se às supostas coisas sagradas. Precisamos diferir o ser possuidor de religiosidade, do religioso, que é fruto do sistema religioso.

O religioso é um fanático, que não compreende e não respeita o Processo Religare do próximo. Ele se torna intolerante e não aceita as práticas religiosas de outros indivíduos, considerando o seu caminho único e inquestionável.

Acontece, com isto, que alguns sistemas religiosos podem gerar indivíduos de religiosidade, mas como os religiosos se apegam ao poder e as fórmulas, tendem a manipular as mentes atormentadas e sofredoras, obrigando a todo aquele que não esteja em sintonia com seus ideais a se tornarem submissos. Daí as crises e a intolerância religiosa.

Os religiosos são de fato os grandes causadores de problema, aliados aos seus sistemas.

Do ponto de vista geral, a religiosidade mostra o sentido de transcendência de uma pessoa ao refletir sobre a espiritualidade. Uma espiritualidade que adquire aspectos concretos através de crenças religiosas pessoais que mostram a fé dentro de uma doutrina religiosa; a religiosidade mostra a forma de expressão que tem um sujeito de comunicar-se com a divindade através de rituais, rezas ou orações.

A religiosidade é a pessoa não ter um compromisso verdadeiro, é estar ali (na igreja instituição) apenas por estar e movida apenas por uma rotina.

O Processo Religare nada mais é do que o desenvolvimento das faculdades psíquicas da alma, que o tornem sensível à percepção da sua relação com DEUS. Logo, entendemos diante disto, que não nos afastamos de DEUS, mas nos relacionamos com ele inconscientemente, sendo que o nosso verdadeiro trabalho é conscientizarmo-nos desta relação, para tornarmo-nos merecedores de suas benesses. .

Muitos pastores tem combatido aos desigrejados, por estes terem se desvinculado das igrejas instituições, e este êxodo vem de encontro justamente em função das atitudes destes mesmos pastores.

Há pastores que dizem querer auxiliar aos desigrejados a encontrarem o caminho da verdade, mentira!!

Há pastores que combatem os desigrejados por que denunciam pastores e as igrejas instituições pelos ensinos equivocados, sem contexto bíblico, pretensiosos em enganar as pessoas!!

Há pastores que criticam aos outros pastores, tem o que chama-os carinhosamente de "criminosos" e até a própria "igreja" mãe não é polpada, e afrontam aos desigrejados por fazerem as mesmas denuncias!!



Porque dELE e por ELE, e para ELE, são todas as coisas; glória pois, a DEUS eternamente;
Nos interesses da Igreja que CRISTO edificou. Amém.


[035760]

fevereiro 02, 2017


João Ferreira de Almeida?!


Missionário calvinista, escritor e tradutor. Nasceu em Torre de Tavares, próximo de Mangualde, em 1628, sendo filho de pais católicos.missionário calvinista, escritor e tradutor. Nasceu em Torre de Tavares, próximo de Mangualde, em 1628, sendo filho de pais católicos.

Órfão de pai e mãe, foi para Lisboa para a casa de um tio clérigo, de onde teria emigrado para a Holanda com apenas 14 anos. Daí partiu para Malaca, recentemente conquistada pelos holandeses em 1641, onde permaneceu por alguns anos, tendo casado com a filha de um pastor calvinista.

Em Malaca, Almeida renunciou à religião católica e abraçou a fé reformada depois de ter lido um panfleto espanhol anticatólico que veio a traduzir para o português, intitulado "Differença da Christandade". Este livro apresentava a divergência entre o catolicismo romano e o protestantismo.

Em 1644, com apenas 16 anos, Almeida traduziu os Atos dos Apóstolos do espanhol para português, que eram copiados à mão e distribuídos nas comunidades portuguesas. Em 1645 a tradução do Novo Testamento foi concluída, mas somente publicada em 1681, em Amesterdã.

João Ferreira de Almeida visitava doentes em Malaca e, mais tarde, em Batávia, percorrendo diariamente hospitais e casas de doentes, dando apoio espiritual com orações e exortações. Parece ter sido Batávia o centro das suas atividades religiosas. Ali ingressou na Igreja Protestante Portuguesa (que existiu entre 1633 e 1808) e, em 1656, foi ordenado ministro pregador.

De 1656 a 1663, Almeida pregou em várias línguas na ilha de Ceilão (Colombo, Porto de Gale, etc) e nas costas Indostânicas (Coromandel, Malabar), difundindo em especial a língua portuguesa. Em 1663, voltou à Batávia, onde veio a falecer em 1691.

Almeida escreveu várias obras, mas o que mais o notabilizou foi a tradução da Bíblia para a língua portuguesa. Começou a traduzir a Bíblia pelo Novo Testamento, que foi publicado durante sua vida, em Amsterdã, e impressa pela viúva de J. V. Someren. Esta edição apresentava muitas incorreções devido à incompetência dos revisores, de que o próprio Almeida se queixou numa Advertência, com um apêndice de mais de mil erros, publicada em 1683.

Perante estas informações, os Diretores da Companhia da Índia Oriental determinaram que fossem destruídos todos os exemplares na Holanda e em Batávia, tendo, no entanto, sido poupadas algumas cópias distribuídas às congregações de Batávia, Malaca e Ceilão, apresentando correções a tinta. Para além do exemplar existente na Biblioteca Nacional, temos conhecimento de outra espécie, na British Library.

Saiu do prelo a segunda edição do Novo Testamento, impressa em Batávia por João de Vries, em 1693, dois anos após a morte do tradutor. A Companhia das Índias Orientais, em colaboração com a igreja estabelecida naquela ilha, diligenciou para que os missionários Theodorus Zas e Jacobus op den Akker procedessem à revisão e conferissem a tradução de João Ferreira de Almeida com a Vulgata.

Quanto ao Antigo Testamento, Almeida só concluiu a tradução até Ezequiel, tendo o restante sido continuado por Jacobus op den Akker, em 1694, que só veio a ser impresso em Batávia, em dois volumes, em 1748 e 1753.

Seguiram-se muitas outras edições parciais e totais, impressas em Batávia, Trangambar, Londres, Nova Iorque e Lisboa. As traduções foram feitas com o auxílio da versão holandesa do Sínodo de Dort (1618) e da castelhana de Cipriano de Valera (1602).

João Ferreira de Almeida teve o grande mérito de passar toda a vida debruçado sobre a Bíblia, e só a morte o afastou dessa notável missão. Almeida zelou para manter as comunidades evangélicas portuguesas nos lugares do Império Português das Índias, que os holandeses iam ocupando, e defendeu que fossem divulgados livros em português a essas comunidades.

Fonte: Biblioteca Nacional Tesouros

[035600]

janeiro 23, 2017


Teologia, uma “forte” arma nas mãos do diabo!!


Contexto bíblico João 5:

Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de MIM testificam;
E não quereis vir a MIM para terdes vida.
EU não recebo glória dos homens;
Mas bem vos conheço, que não tendes em vós o amor de DEUS.
EU vim em nome de Meu PAI, e não ME aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis.
Como podeis vós crer, recebendo honra uns dos outros, e não buscando a honra que vem só de DEUS?

Diversas lideranças religiosas tentam nos confrontar com a necessidade da teologia, para mim não passa de conversa fiada por falta de argumentos para a verdade que eles não conseguem se firmar.

Pois quê, por este motivo, CRISTO nos advertiu, exortou, admoestou, ensinou em que devemos examinar, buscar, aprender, estudar, como os bereanos [Atos 17], sempre na e pela Palavra de DEUS.

Basicamente, sem necessidade de fazer qualquer curso (comércio religioso) para ter conhecimento, teologia é o estudo da existência de DEUS, das questões referentes ao conhecimento da divindade, assim como de Sua relação com o mundo e com os homens; do grego “theos” (“deus”, termo usado no mundo antigo para nominar seres com poderes além da capacidade humana) + “logos” (palavra que revela), por extensão “logia” (estudo) [Significado].

A teologia tem suas divisões, mas, me abstenho de aqui mencioná-las, por que, cada um de seus defensores irá fazer cansativas dissertações onde classificam por suas escolas teológicas tais divisões, divergências.

Ainda advertidos pela Palavra de DEUS que não há particulares interpretações [2Pedro 1], a teologia fomenta (ainda que neguem) suas particulares interpretações, é tal qual os escribas (indivíduos com muito estudo e conhecimento), que com o passar dos anos na época de em o ministério terreno de JESUS com suas interpretações, já haviam montado uma espécie de “tradição” que andava paralela ao que dizia a Palavra de DEUS; ela é mencionada na Bíblia como “tradição dos Anciãos”.

Eles fizeram uma espécie de “lei” que eles mesmos escreveram e que a atribuíam como sendo a vontade de DEUS. Veja um exemplo: “Por que transgridem os teus discípulos a tradição dos anciãos? Pois não lavam as mãos, quando comem[Mateus 15]; lavar as mãos antes da refeição foi uma “lei” incorporada na religião e na cultura pelos escribas por “tradição”; não há nenhuma lei na Bíblia mencionando essa obrigatoriedade.

Diversas “tradições” desse tipo foram sendo incorporadas na religião judaica e na cultura, o que fez com que JESUS se dirigisse aos escribas de forma dura, pois eles haviam se desviado da sua verdadeira função: “Na cadeira de Moisés, se assentaram os escribas e os fariseus (…) Atam fardos pesados e difíceis de carregar e os põem sobre os ombros dos homens; entretanto, eles mesmos nem com o dedo querem movê-los[Mateus 23]; são estes que em comum com os fariseus, tiveram papel fundamental no martírio de JESUS CRISTO [Esboçando Ideias]

E nestas tarjadas linhas, venho mostrar que importante sempre será única e soberana a Palavra de DEUS, uma vez que, a teologia está se tornando, como outrora, uma “forte” arma do diabo, vez que, homens de más índoles através da teologia vem fazendo mestres a si mesmos, homens intelectualizados pela religiosidade, fomentam a sistematização doutrinária do evangelho, usando estudos na criação e elaboração de regras religiosas reduzindo o evangelho a um mero sistema clerical, mesclando-o com algumas normas e preceitos do Antigo Testamento.

Porquanto, em mãos erradas, sem entendimento, tais conhecimentos tornam-se nocivos a doutrina de CRISTO, são responsáveis pelas atrocidades e escândalos ocorridos nas igrejas instituições pelas lideranças eclesiásticas, cada qual berrando aos quatro ventos sua doutrina denominacional travestida de teologia (acromática; anabatista; aplicada; apologética; arminiana; bíblica; calvinista; do caminho; catequética; católica; cristã; contemporânea; dialética; dogmática; espiritual; exegética; existencial; da experiência; filosófica; fundamental; gnóstica; histórica; joanina; kerigmática; liberal; da libertação; luterana; medieval ou idade das trevas; moral; natural; negra; neo-ortodoxa; neopentecostal; dos pactos; patrística; pastoral; paulina; pentecostal; petrina; política; positiva; prática; do processo; da prosperidade; quântica; rabínica; reformada; relacional; simples; sistemática; tiaguina; wesleyana).

Tenhamos a testemunho bíblico, pelo qual CRISTO aos Seus discípulos, não fez referência alguma à teologia, mas puramente, “começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dELE se achava em todas as Escrituras[Lucas 24].


Porque dELE e por ELE, e para ELE, são todas as coisas; glória pois, a DEUS eternamente; nos interesses da Igreja que CRISTO edificou. Amém.

.[035415]

janeiro 15, 2017


O nascediço do Espírito, não de instituições de homens!!

[035330]

Contexto bíblico Atos 5:

"Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a DEUS do que aos homens."

O nascediço é aquele que está nascendo, e a Palavra de JESUS requer: "Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de DEUS" [João 3].

E neste limiar está uma questão que muito tem afligido as pessoas na busca da verdade, na busca de DEUS, do CRISTO, por que influenciadas por outras sem entendimento, mas cheias de conhecimento institucional da religiosidade, amontoadas de papiros teológicos, as fazem migrar para a igreja instituição.

E aí está o problema, o frequentar de uma das igrejas instituições (denominações, congregações religiosas, igrejas evangélicas, católica) e serem alvo, manipulados, aliciados pelas lideranças eclesiásticas e suas crendices teológicas, sofismas, dogmas, doutrinas e tradições de homens, que a Palavra de DEUS [contida na Bíblia] tanto nos tem precavido de seus males, e assim, nos advertindo para que sejamos livres destes homens dissolutos e maus; porque a fé não é de todos [2 Tessalonicenses 3].

Porque, deixando o mandamento de DEUS, lideranças religiosas retêm a tradição das doutrinas das denominações [Marcos 7] fazendo presas suas, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo CRISTO; [Colossenses 2] com fábulas judaicas inseridas ao contexto do evangelho para salvação, aos mandamentos de homens que se desviam da verdade [Tito 1], invalidando assim a Palavra de DEUS por estas tradições que ordenam, e muitas coisas fazem semelhantes a estas [Marcos 7], sendo extremamente zelosos das doutrinas esdruxulas das igrejas.

Não que digo que o problema está nas pessoas na instituição em si, mesmo por que, o problema vai mais além do que o simples fato de se reunir para, uma possível, adoração, uma comunhão do que se diz conhecer, do amor ao próximo de dentro.

Mesmo por que, a religião denominada evangélica, também, chamada cristã, tem suas origens no cristianismo, na fundamentação protestante, ou, a reforma do catolicismo; porquanto na idade média, católicos inconformados, tornaram-se os protestantes, e reformaram, deram uma nova roupagem à religião católica [ICAR ], e assim, posteriormente se denominando evangélicos;

Portanto, esta é a roupagem dada pela reforma protestante a igreja católica, mesmo porque, qualquer semelhança será mera coincidência (que na realidade bíblica, é conveniência proposital, uma reformada mais fácil):

  • A ICAR tem padres, as evangélicas os seus pastores, bispos, apóstolos, missionários, lideres eclesiásticos, em que ambas os tratam como únicos sacerdotes
  • A ICAR realiza missas, as evangélicas cultos
  • A ICAR faz missa campal, as evangélicos culto ao ar livre
  • A ICAR apregoa sermão, as evangélicas tem pregação
  • Na ICAR é eucaristia, nas evangélicas a ceia
  • A ICAR tem hóstia e vinho (para o padre), as evangélicas usam pão francês e suco uva
  • A ICAR cria seus discípulos no catecismo, as evangélicas pela escola dominical
  • Na ICAR tem altar, nas evangélicas o púlpito
  • Os da ICAR idolatram imagens, evangélicos aos pregadores, às denominações, aos templos, as relíquias do Antigo Estamento, as vestimentas
  • Na ICAR se molha na água benta, as evangélicas tem água ungida
  • A ICAR faz quermesse, as evangélicas em festividade
  • Entoam na ICAR os cânticos, evangélicos com seus louvores de músicas
  • A ICAR tem fiéis, as evangélicas membros
  • Na ICAR há madres, nas evangélicas o grupo de irmãs
  • Os da ICAR vão anunciar na paróquia, os evangélicos no campo
  • Trajam na ICAR a batina, os evangélicos terno/gravata
  • Santificaram, ambas, por si mesmos o altar/púlpito, a eucaristia/ceia e os templos.

E, nestes pormenores, em DETALHES, nas MINÚCIAS, por PARTICULARIDADES, não querem nem mudar a terminologia, antes preferem a semelhança para no caso do êxodo religioso (de católico para evangélico ou vise-versa), os abestalhados continuaram a frequentá-las; que tanto a ICAR, como as evangélicas, comemoram uma páscoa de chocolate e um natal pagão, ambos fora do contexto da verdade bíblica.

E o que não poderia deixar de ser, ambas as instituições religiosas se corroboram no mesmo ideal, o financiamento de suas estruturas e de seus representantes através de seus tolos frequentadores, em dinheiro, os famigerados dízimos (maasser) e ofertas!!

Mas, mesmo que você não concorde com esta verdade apresentada, DEUS está procurando adoradores, que O adorem em espírito e em verdade, quer queira ou não, quer seu pastor/padre/guru/chefe/cacique ensine ou não!!

DEUS sempre chamou e chama aos homens, e nos dá coragem e dons para anunciarmos as Suas verdades, nos sobrecarrega de discernimento na verdade de Sua Igreja; que proclamamos as Boas Novas, sem razão e sem lógica eclesiástica, mas pela fé dada aos santos.

Enfim, muitos milhares se furtam em serem coniventes com a falsa adoração, estão engajados em ser comparsas das mentiras teologias, da religiosidade, e se firmam como guerrilheiros nas fronteiras das instituições religiosas, se dizem ir a "igreja" por que precisam de um prédio de tijolos para como tolos abobados, adorarem aos homens em suas invencionices de uma santidade mórbida de seus templos, se sobrecarregam no vitimismo (como alvo dos desigrejados), vivem a falácia ad Hominem, atacam, lançam em descrédito aqueles com o objetivo de mostrar que as suas afirmações são verdadeiramente falsas.



Porque dELE e por ELE, e para ELE, são todas as coisas; glória pois, a DEUS eternamente; nos interesses da Igreja que CRISTO edificou. Amém.

.

janeiro 06, 2017


2017 continua o bom combate, a guerra santa!!

[035258]

Contexto bíblico João 7:

"Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça."

Em 2017, não agiremos diferentes, pois quê, não somente pastores (lideranças eclesiásticas) devem ou podem denunciar, criticar pastores, lideres e dirigentes e igrejas instituições, mas nós, desigrejados, continuaremos no bom combate, militaremos com a Verdade a guerra santa [2Timóteo 4; 1Timóteo 1; 1Coríntios 9; Colossenses 3;1Timóteo 6;1Pedro 5;].

Em 2017, não agiremos diferentes, por que como CRISTO há mais de 2000anos, repreendeu os vendilhões no pátio do templo de Herodes [Mateus 21], criticou veemente as lideranças religiosas em o tempo de Seu ministério terreno [Mateus 23que hoje fazem os lideres, assim também, nós, os que buscamos ser imitadores do SENHOR estaremos denunciando, criticando, expondo com a verdade, todas as mazelas teológicas, os erros e enganos, as crendices, os sofismas, aos argumentos capciosos usados pela Palavra de DEUS para enganar, nos dogmas, nas doutrinas e tradições que as lideranças eclesiásticas usam, criam, articulam, forjam e apregoam em púlpitos das igrejas instituições [Marcos 7; Colossenses 2; Tito 1], pelo desacerto do ecumenismo, pela burla do romano cristianismo, a religião que pertence em comum aos católicos e evangélicos.

Porquanto, costumeiro e conforme a sã doutrina de CRISTO, estaremos denunciando que as lideranças das igrejas instituições não são o centro das atenções, não são intocáveis, jamais deveriam ser autoritários, são presunçosos, donos, proprietários e seus comparsas nas igrejas instituições e como sempre, vamos anunciar, denunciar e criticar suas mentiras religiosas, tais quais e tantas outros:
  • da imposição do medo aos dízimos;
  • de que templos e ceia e púlpitos não são santos;
  • que a cobertura espiritual não passa de enganação;
  • que somente pastores e lideres são sacerdotes;
  • da idiotice de que igrejas instituições são obra de DEUS;
  • da obrigatoriedade de ser membro de alguma igreja instituição (denominação);
  • de que somente se tem comunhão se for membro das igrejas instituições.

  • Sim, continuaremos nesta guerra santa até o pescoço, para que este povo, que se diz de DEUS [Romanos 8], abra aos olhos espirituais e possam ser atingidos pela unção do ESPÍRITO SANTO e buscarem a DEUS em espírito e em verdade [João 4], que tenham em seus corações a promessa que ELE nos fez: a vida eterna [1João 2], e parem com as barganhas das quais somente os lideres religiosos se beneficiam em benesses [1Timóteo 6], benefício, ganho recebido sem muito trabalho ou esforço.



    Porque dELE e por ELE, e para ELE, são todas as coisas; glória pois, a DEUS eternamente;
    Nos interesses da Igreja que CRISTO edificou. Amém.

    .

    dezembro 10, 2016


    Comemorar o 'natal' é tradição??!!

    [035060]


    Quem vive pela verdade, recebe do SENHOR uma ordenança que é vinculada a Sua morte; porquanto, para os de entendimento, constrangidos pelo evangelho da salvação, não há tradição alguma para se comemorar o "natal"; contextos bíblicos:

    "... anunciais a morte do SENHOR, até que venha." [1Coríntios 11]
    e
    "Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no Meu sangue, que é derramado por vós." [Lucas 22]


    É cristalino (não cristianismo), notório que testifica as palavras de CRISTO sobre a importância de Sua morte para nós pecadores e a mais pura verdade é que sem duvida alguma JESUS em momento nenhum, em relato nenhum da Palavra de DEUS, nos deu ordenança para comemorar o seu nascimento...

    • mesmo por que, o nascimento do "menino JESUS" não tem tanta relevância quanto a morte deste mesmo JESUS (razão salvífica para nós pecadores), pois quê, o SENHOR subsiste deste a eternidade!

    E muito menos que o nascimento seja uma data fictícia pagã em 25 de dezembro, e há vários estudos que referem-se o nascimento do FILHO de DEUS no fim de setembro ou começo de outubro [link].

    Histórias deste período natalino:

    • A saturnália, festa em homenagem ao deus romano Saturno, ia de 17 a 24 de dezembro. Era uma comemoração alegre, com muita dança, em que ricos e pobres conviviam igualmente, com os senhores servindo os servos, numa inversão de papéis.
    • No dia 25 de dezembro, imediatamente após a saturnália, comemorava-se a brumália, o nascimento do deus-sol, ou "o nascimento do sol invicto"; a data, para eles, no Hemisfério Norte, coincidia com o solstício de inverno, dia "mais curto do ano", com menos horas de luz; a partir do solstício de inverno, as noites começam a diminuir, e os dias a aumentar.
    • Em tempos remotos, os persas também tinham seus deuses inspirados no sol, e comemorações nos dias 24 e 25 de dezembro.
    • No dia que corresponde ao nosso 24 de dezembro, os persas queimavam o seu deus Agni, construído a partir de um tronco de árvore, e colocavam outro, novo, em seu lugar.
    • O dia 25 de dezembro (solstício de inverno, no mesmo Calendário Juliano) era na Roma pagã, desde o tempo do imperador Aureliano (reinou de 270 a 275), consagrado ao natalis solis invicti (natal do sol invencível); era uma festa mitríca (relativa ao culto de Mitras, o espírito da luz divina) do renascimento do Sol.

    Portanto, ao contrário do que muitos acreditam (ou aceitam a crendice), a origem do Natal não está no nascimento de JESUS; a festa natalina tem origem pagã, associada as comemorações como demonstrado, saturnália e brumália e natalis solis invicti.

    A conclusão surpreendente que DEUS nos dá luz, é de que JESUS não nasceu e nem poderia ter nascido em dezembro, nem poderia usar para nascer tais datas de festividade pagã (saturnália romana ou o natalis invicti solis), mas usou uma festa judaica, a Festa dos Tabernáculos, como ocasião para encarnar [João 1].

    • E por que evangélicos em suas igrejas instituições persistem em comemorar este "natal" católico/pagão??
    Simples, as igrejas instituições evangélicas são filhas bastardas da igreja instituição católica (ICAR), qualquer semelhança será mera coincidência ou conveniência proposital para manter a clientela, invalidando a Palavra de DEUS pela suas tradições; e muitas coisas semelhantes a estas fazem [João 7]!!



    Porque dELE e por ELE, e para ELE, são todas as coisas; glória pois, a DEUS eternamente;
    Nos interesses da Igreja que CRISTO edificou. Amém.

    .

    dezembro 04, 2016


    Quando se fala de CRISTO, a verdade anuncia inimigos

    [035015]


    Contextos bíblicos:

    "Fiz-me acaso vosso inimigo, dizendo a verdade?" [Gálatas 4]

    e

    "E disse Acabe a Elias: Já me achaste, inimigo meu? E ele disse: Achei-te; porquanto já te vendeste para fazeres o que é mau aos olhos do SENHOR." [1Reis 21]

    A mais pura verdade é: a verdade dói!

    Mas eis que muitos criaram uma auto suficiência em maturidade no intuito de esconder a verdade, quando sempre, ignorá-la; tal maturidade como escudo da inverdade, insinua a imaturidade alheia.

    E por aí, a falta de alimento sólido para os que já serem mestres pelo tempo, portam-se maduros para uns fins, e inevitavelmente, imaturos em outros. Paulo referenciou-nos que nem tudo nos convêm, porém, tudo é lícito, e aos da maturidade pela conveniência e imaturos pela falta de que se vos tornem a ensinar os rudimentos das palavras de DEUS; se fazem na maturidade, mas necessitam de leite e não sólido mantimento [Hebreus 5pela imaturidade.

    E quando nos referimos as lideranças eclesiásticas (tais como, pastores, bispos, missionários e afins), quase em sua totalidade, se apresentam com semblante de maturidade, entretanto, pela monomania, ou a mania em que predomina uma ideia fixa como que querendo saber muito em tudo, mas diga-se de passagem, pela postura e compostura que vivem é melhor que não saibam.

    CRISTO nos trouxe liberdade pela cruz [muitos vivem na libertinagem religiosa] e, isto Paulo em muito enfatizou, e nós, assim devemos anunciar esta liberdade em verdade que nos leva a uma vida de autenticidade cristã.

    Muitos não aceitam ouvir, e outros não querem, e para isto as lideranças eclesiásticas anunciam a inverdade, em crendices, vãs filosofias, doutrinas e tradições; e para isto, criaram uma liberdade forjada na mente dos homens; 

    Contra isto, o evangelho de CRISTO que nos outorgou a liberdade, da qual jamais devemos abrir mão, e, hoje, a insensatez de viver um evangelho diluído no contexto mundano, tem achado guarida em milhares de corações que vivem pela sistematização doutrinária do evangelho com a contextualização do Antigo Testamento (a junção da Antiga Aliança no seio da Nova Aliança), criando assim as inverdades anunciadas como doutrina nas igrejas instituições.

    Eis, pois, a questão: 
    A verdade de DEUS anunciada, por que nada é contra a verdade, senão pela verdade [2Coríntios 13], a qual milhares precisam ouvir, e por ela os desigrejados são combatidos pelas lideranças eclesiásticas (geralmente, pastores) que anunciam o que milhares querem ouvir!!

    E qual aquele que tem medo da verdade, qual motivo da verdade incomodar, seria conveniência, teríamos maturidade suficiente em dizer a outrem que não a tem?!


    Porque dELE e por ELE, e para ELE, são todas as coisas; glória pois, a DEUS eternamente;
    Nos interesses da Igreja que CRISTO edificou. Amém.
    .