Adoradores...

Contexto SAGRADAS ESCRITURAS, 10.jul.2017, Mateus 5

EU, porém vos digo: Amai a vossos inimigos, bem-dizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; [Lucas 23.34; 6.27-28; Atos 7.60; Romanos 12.14; 1Pedro 3.9; Salmos 7.4]
Para que sejais filhos do vosso PAI que está nos céus; porque faz que o Seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos. [Lucas 6.35; Atos 14.17; Mateus 5.9; Jó 25.3; Salmos 145.9]
Pois, se amardes os que vos amam, que galardão havereis? Não fazem os publicanos também o mesmo? [Lucas 6.32-35; Mateus 6.1; 9.10-11; 11.19; 18.17]
E, se saudares unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim? [Mateus 5.20; Lucas 6.32; 10.4-5; 1Pedro 2.20]
Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso PAI que está nos céus. [Levítico 19.2; Colossenses 1.28; Gênesis 17.1; Deuteronômio 18.13; Lucas 6.36]

[037478]

novembro 25, 2010

Somos crentes contraditórios, ou o ensino dos evangélicos o são??!!

.
Alguns farão críticas, afirmando que os assuntos que por hora serão abordados são repetitivos, entretanto, não podemos deixar cair no esquecimento, precisa-se a todo o momento que tais relevantes assuntos sejam tratados, pois que, são dos interesses da obra de Deus, os quais, quando ensinados de maneira não condizente com a Palavra de Deus, certamente servem de tropeço para a salvação de almas.

Há muitos pequeninos na fé (novos convertidos) que precisam de alimento puro, é necessário que não se contaminem, estejam arraigados e edificados em Cristo e confirmados na fé, abundando em ação de graças; tendo cuidado, para que ninguém os faça de presa, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo;

Os pequeninos na fé precisam entender e conhecer da simplicidade do evangelho de Cristo, e não na complexidade das questões de religiosos, pois, se os pequeninos estão mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, muitos os querem carregar ainda de ordenanças, como se vivessem no mundo, tais como: “Não toques, não proves, não manuseies? As quais coisas todas perecem pelo uso, segundo os preceitos e doutrinas dos homens” [Colossenses 2.20-22] e de mulheres que teimam no episcopado;

Para que ninguém domine aos pequeninos na fé a seu bel-prazer com pretexto de humildade, envolvendo-se em coisas que não viu; estando debalde inchados na sua carnal compreensão; os quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade, e em disciplina do corpo, mas que não são de valor algum senão para a satisfação da carne.

São diversos os pregadores que têm ensinado sobre “religião”, mas, poucos são os que demonstram biblicamente o que venha a ser “religião”; porque assim diz a Palavra de Deus através da epístola de Tiago [1.27], que tão somente a religiãopura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo”.

Iniciemos, então, a discussão em torno das controvérsias de ensinos:

Igreja de Cristo

Pela Palavra de Deus entendemos que, os que professam o nome do Cordeiro de Deus são o “templo” do Espírito Santo [1Coríntios 3.16; 6.19], e que Deus não habita em templos (ou instituições religiosas com nome de igreja ou igrejas evangélicas ou denominações ou congregações evangélicas) feitos pelas mãos dos homens [Atos 17.24];

A Igreja de Cristo como um todo, é a reunião daqueles que amam e professam o nome do Cordeiro de Deus sobre a face da terra; sem rótulos, e sem dogmas...

Deus é Pai de uma única família. E fazemos parte dela! Junto com centenas de milhares de muitos outros irmãos espalhados sobre a terra. Muitos deles que nem conhecemos. E muitos que nem os considerávamos antes.

As instituições religiosas com nome de igreja ou igrejas evangélicas ou denominações ou congregações evangélicas não têm respaldo bíblico para afirmar que são a Igreja de Cristo ou “casa do Senhor”, porque nada mais são que locais de reunião de possíveis irmãos, de pessoas justas e injustas também; são organizações religiosas e em muitos dos casos, apenas redutos familiares onde somente marido e mulher ou membros da família quem administra.

Dons

Deus tem operado maravilhas no meio de Seu povo, agraciando conforme Sua vontade, dons aos homens [Efésios 4.11; 1Coríntios 12.1-11], para que cuidam, amam, zelam pelas ovelhas de Seu rebanho [1Pedro 5.1-3], como que se fossem prestar conta delas com a própria vida [Hebreus 13.7,17]; estes dons são exclusivamente para “aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo”.

Entretanto, há alguns homens, tornando-se religiosos, que se utilizam de nomenclaturas ou títulos pomposos, como pastores, apóstolos, bispos, patriarca, simplesmente para requer (em muitos dos casos, exigir) privilégios, destaque, merecimentos por seus trabalhos, querem ser maiores que os outros irmãos, indo descaradamente contra o ensino de Cristo que nos exorta a nos tornarmos “servos”, a servimos ao nosso próximo e não exigir que sejamos servidos;

O verdadeiro chamado de Deus aos homens firma-se tão somente em “amar”, “cuidar”, dar sustento aos necessitados na ação do Espírito Santo!!

Infelizmente, o ensino dos “evangélicos” tem absorvido tanto aos membros das instituições religiosas com nome de igreja ou igrejas evangélicas ou denominações ou congregações evangélicas, que alguns demonstram “tanto” respeito por seus superiores eclesiásticos (pastores, bispos, apóstolos) que não está sobrando nenhum para eles próprios!!

Missões, evangelismo

Todos conhecemos a Grande Missão que Cristo nos incumbiu, o IDE, fazendo discípulos (dEle, Cristo, não de homens) e batizando [Mateus 28.19,20];

E, para este IDE, a Palavra de Deus traz em ênfase o ensino a que ninguém deve levantar dinheiro com outros e muito menos fortunas para pregar as Boas Novas ou para a evangelização ou para levar almas a Cristo, porque o verdadeiro chamado de Deus para ir-se pregar evangelizando, consiste na ação do Espírito Santo e não do dinheiro, é isto que disse Jesus em Mateus 10:

E, indo, pregai, dizendo: É chegado o reino dos céus.
Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.
Não possuais ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos,
Nem alforjes para o caminho, nem duas túnicas, nem alparcas, nem bordão; porque digno é o operário do seu alimento.


Haverá os que afirmam da necessidade de dinheiro para as missões, sabemos disto, mas, é necessário entender que quem abrirá portas e dará sustento aos missionários, será somente Deus, pela ação do Espírito Santo, devemos ter o coração contrito e no desejo de realizar a obra de Deus, e esperar por suas providências e não fazer as coisas de nosso intuito;

Deus proverá, como provêm a todos aqueles que almejam servi-Lo; Filipe não usou de dinheiro e nem de avião, mas firmou-se na ação do Espírito Santo, evangelizou e batizou o eunuco [Atos 8.26-40].

Existem diversos patéticos programas evangélicos de televisão que estão fazendo verdadeiras fortunas (e de seus proprietários) pregando a mentira em que “é dando que se recebe”, ou, “quem planta colhe”; seus apresentadores, que se transfiguram em “pastores”, conferencistas, verdadeiros intelectuais financeiros, utilizam-se destes jargões fazendo discípulos e financiadores, que na realidade são preguiçosos que pagam para os outros fazerem (se é que fazem) o que eles deveriam fazer e desobedecem a ordenança divina, pois que, cada um de nós é quem deve IR!!

Congregar - Hebreus 10.25

Ensinam nas instituições religiosas com nome de igreja ou igrejas evangélicas ou denominações ou congregações evangélicas que somente estar-se-á em comunhão e congregando quando se está em uma destas ditas igrejas e que somente será salvo quem frequentá-las; ou melhor, dizendo, tornaram uma instituição o termo “congregação”!

Mas, a salvação somente está em Cristo e o SENHOR não obriga ninguém a estar “congregando” em uma instituição religiosa com nome de igreja ou igreja evangélica ou denominação ou congregação evangélica...

... Jesus enfático, afirma que nossa reunião ou união ou congregação deve ser em torno dEle e não existe relato bíblico para afirmar que tem que ser em uma instituição religiosa com nome de igreja ou igreja evangélica ou denominação ou congregação evangélica, mas é de se considerar que Sua Verdade nos basta quando diz claramente e solene: “Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” [Mateus 18.20];

Notemos que no relato deste amor divino em Mateus 18.20, Jesus nos ensina a importância e relevância de estarmos reunidos ou congregando em Seu santo nome;

Notemos ainda que, o número de irmãos reunidos ou congregando em nome do SENHOR não se faz necessário ser de dezenas, centenas ou milhares, mas tão somente estando reunidos ou congregados em nome do SENHOR, dois ou três irmãos, Jesus já se faz presente. Aleluia!!

O intuito de se frisar sobre o “congregar” ou congregação, é afirmar que a comunhão não é somente nos templos das instituições religiosas com nome de igreja ou igrejas evangélicas ou denominações ou congregações evangélicas, mas, há comunhão também quando congregamos nos cultos nas casas ou nos lares, em qualquer lugar, mas o essencial, é que o “congregar” deve ser em Cristo, por Cristo e para Cristo, e que nossa congregação é a Igreja de Cristo;

Infelizmente, através de diversos templos, há um sistema religioso que, em detrimento a santificação, ocupa as mentes com religiosidade, afim de que simplesmente se façam frequentadores assíduos e ouvintes cegos, e, por conseguinte, financiadores das organizações religiosas com nome de igreja e de seus proprietários...

Coisas materiais e as bênçãos de Deus

O ensino dos evangélicos quanto as bênçãos de Deus, vai de encontro da necessidade de cumprir preceitos da lei mosaica (a Lei de ordenanças dada a nação de Israel), refletindo ao Antigo Testamento, e na busca incansável por bênçãos para prosperidade e solução de problemas materiais nesta vida, para tanto, se deve contribuir com dízimos e ofertas nas instituições religiosas com nome de igreja ou igrejas evangélicas ou denominações ou congregações evangélicas para que Deus abençoe; entretanto, podemos afirmar que esta modalidade de contribuir com dízimos e ofertas ou qualquer outro fim para ministérios e ministros não é contemplada pela Bíblia;

Encontramos diversos “evangélicos” que afirmam devolver os dízimos não por obrigação, mas, é um ato voluntário, mas, se esquecem que nenhum de nós poderá voluntariamente dar algo a Deus, porque tudo vem do SENHOR [“Porque quem sou eu, e quem é o meu povo, para que pudéssemos oferecer voluntariamente coisas semelhantes? Porque tudo vem de ti, e do que é teu to damos” – 1Crônicas 29.14].

Alguns exemplos de homens de Deus, da nação de Israel, foram prósperos (em bens materiais) pelas bênçãos de Deus, muito embora não houver relação de algumas bem aventuranças financeiras relacionadas a entrega dos dízimos ou ofertas para “instituições religiosas” (Abraão deu dízimos uma única vez; Jacó prometeu dízimos, mas, não há comprovação bíblica de que assim procedeu; Jó não fez relatos de dízimos, José também não, muito menos Daniel), apesar de Malaquias [3.10] conter promessas de prosperidades materiais pelo uso da Lei mosaica a nação de Israel;

Com o advento de em o Novo Testamento, pela crucificação de nosso Senhor Jesus Cristo, não encontramos tais promessas de prosperidades materiais aos que são fieis; porque, para os crentes, Jesus traz salvação e, portanto, as prosperidades materiais tornam-se supérfluas, não tem valor, são sem importância diante a graça de Deus que nos traz rica esperança em Cristo Jesus;

Não há números que possam mostrar a grandeza em alegria nos corações dos crentes em se preparar nesta vida [1Tessalonicenses 5.23] para estar com o SENHOR pela vida eterna, mesmo que comparada com as riquezas materiais;

Ensina-nos a Palavra de Deus, que diante o jovem rico, Jesus enfatizou que nossas dádivas (tudo quanto adquirimos com o suor do próprio rosto, sendo assim, abençoadas por Deus) devem ser direcionadas ao nosso próximo, aqueles que passam necessidades [Mateus 19]; portanto, novamente afirma-se que não há ensina bíblico para manutenção de templos, ministérios e ministros evangélicos.

Promessas

Muitas foram as promessas a nação de Israel através de tudo quanto nos deparamos com a Antiga Aliança (Antigo Testamento, nação de Israel: Deus fez surgir Israel de uma maneira singular, na escolha de Abrão e Sarai, para preservar Sua identidade étnica, nação conduzida por Moisés e Josué), inclusive coisas materiais...

... porém, para a Igreja de Cristo (que foi edificada, constituída sobre a própria pessoa de Jesus), as promessas que nos foram agraciadas através de o Novo Testamento, não se relacionam as coisas desta vida, não se firmam na entrega de contribuições (em forma de dízimos, ofertas, ou qualquer outra modalidade), mas tão somente, ao amor incondicional que levou Cristo a cruz:

A gloriosa volta de nosso Senhor e Salvador, para buscar aqueles que são Seus, O qual se deu a Si mesmo por aqueles que Lhes são fieis para remi-los de toda a iniquidade, e purificar para Si um povo Seu especial, zeloso de boas obras, para isto, assim perseverou em afirmar: “E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também” [João 14.3]...

... a vida eterna [1João 2.25], a maior riqueza para aquele que é fiel a Deus (nada nesta vida comparar-se-á a ela) que será agraciada aos que crêem professando o nome do Cordeiro de Deus e perseveram até o fim [Mateus 24.13], onde, contemplaremos a beleza da santidade de Deus, diante a face do Santo Cordeiro [Apocalipse 1.10-18]!!

Concluí-se então...

... que é doravante necessário que todos meditem, leiam a Bíblia, com reverência, sistematicamente (não somente em cultos), em especial quando das orações, confrontando sempre tudo o que nos falam acerca das coisas de Deus, buscando entendimento para com Deus, que pela ação do Espírito Santo nos abrirá aos olhos para que contemplemos a Verdade que liberta.

Sejamos honestos com Cristo, que veio ao mundo, mostrou para os homens o caráter de Deus, sofreu, foi humilhado, cuspiram em Seu rosto, esbofetearam, zombaram, foi preso, sendo Inocente foi acusado e julgado culpado, crucificaram na cruz do Calvário, e havendo por Ele feito a paz pelo sangue da Sua cruz, por meio dEle reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus; e, sendo Ele, Cristo, consumado, veio a ser a causa da eterna salvação para todos os que Lhe obedecem...

... o que mais podemos requerer do SENHOR, a não ser adorá-Lo em espírito e em verdade??!!


Por Cristo. Em Cristo. Para Cristo. Nos interesses de Sua Igreja.
.

novembro 18, 2010

HÁ QUANTOS ANDAMOS PRECISANDO DE DEUS??!!

.
Têm-nos ensinado as Sagradas Escrituras que, quando aceitamos ao Filho de Deus, o Cordeiro que tira o pecado do mundo, como nosso Senhor e Salvador, passamos a ter uma vida nas providências e dependência exclusiva em Deus, não podemos de forma alguma firmar em nossa capacidade, conhecimento ou qualquer outra atitude que for, e por assim dizer, afirma-se na epístola de Tiago:

Eia agora vós, que dizeis: Hoje, ou amanhã, iremos a tal cidade, e lá passaremos um ano, e contrataremos, e ganharemos;
Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece.
Em lugar do que devíeis dizer: Se o Senhor quiser, e se vivermos, faremos isto ou aquilo.
Mas agora vos gloriais em vossas presunções; toda a glória tal como esta é maligna.
” [Tiago 4]

E neste sentido, muitos têm adentrado as “entidades religiosas com nome de igreja” (as denominações ou igrejas evangélicas) e se permitido na busca incessante de prosperidade material ou solução de problemas desta vida, por que assim são ensinados... pois que, não esperam pelas providências de Deus, mas, insinuam e presumem em barganhar por vontade própria seus anseios e necessidades pela amabilidade aos bens materiais e as coisas que perecem!!

E contra o ensino da busca por bênçãos ou por ser abençoados simplesmente pelo fato de se entregar qualquer dinheiro (em forma de dízimo ou oferta ou seja lá o nome que se dá) em uma “entidades religiosas com nome de igreja” (as denominações ou igrejas evangélicas), assim disse Jesus:

Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos?
(Porque todas estas coisas os gentios procuram). De certo vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas;
Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a Sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.
Não vos inquieteis, pois, pelo dia amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.
” [Mateus 6]


Por Cristo. Em Cristo. Para Cristo. Nos interesses de Sua Igreja.
.

novembro 08, 2010

Beatificação evangélica

.
No meio daqueles que dizem professar o nome do Cordeiro de Deus, encontramos dois grupos distintos, os que “se acham santos” e os que “buscam ser santos”!!

Em geral, os que “se acham santos”, são convencidos de uma religião, se permitem em uma vida paralela as coisas mundanas; somente visualizam a presença de Deus quando estão dentro de um templo religioso ou de uma instituição religiosa com nome de igreja;

Institucionalizaram o “congregar” como frequentar uma “instituição igreja”, que em muitos dos casos misturam o santo ao profano... são perspicazes, críticos no uso do fundamentalismo e legalismo bíblico no dia a dia religioso de suas instituições igreja, são intelectuais e manipuladores;

De uma maneira quase na totalidade, os que “se acham santos”, vivem por aquilo ditado dos púlpitos, altares(??) e palcos show gospel, por seus “lideres” ou suas “autoridades espirituais” (evangélicas, do candomblé, católica, espírita: tudo é o mesmo) que são homens e mulheres que se acham os representantes exclusivos de Deus na terra; atribuem ainda, aos patéticos programas televisivos uma religiosidade que os imune por praticarem o IDE da Grande Missão [Mateus 28.19,20] quando participam da manutenção e sustento eclesiástico;

Em verdade, quando se visita um, que chamam de culto, em uma igreja evangélica (por exemplo), é quase que impossível presenciar sermões sobre se santificar ou se preparar a vida vindoura [1Tessalonicenses 5.23; Tito 2.14], entretanto, podemos notar que a maioria destes sermões estão vinculados a vitórias, a enriquecimento aos que mantêm estas obras religiosas de homens através de dízimos e ofertas (que na verdade somente possuem o nome de “oferta”, pois, existem valores estipulados).

Já os que “buscam ser santos”, se convertem ao evangelho de Cristo, se primam pelo anúncio da salvação na pessoa de Jesus Cristo; em geral não se preocupam na frequência aos templos ou instituições igreja, congregam nos lares ou em qualquer lugar [Mateus 18.20]; por muitas das vezes são penalizados pelos que “se acham santos”, pois, os ridicularizam rebeldes, insubordinados, pejorativamente os chamam de satanistas, alienados, desigrejados;

Portanto, não tenha vergonha de ser crente [Gálatas 3.9; 1Coríntios 1.21], de buscar a santificação [1Tessalonicenses 4.7; Hebreus 12.14], de ser desigrejado das instituições religiosas com nome de igreja...

... porque, a Igreja de Cristo não é um templo religioso com nome de “igreja”, mas, é a reunião de todos aqueles que amam e professam o nome do Cordeiro sobre a face da terra; sem rótulos, sem ser uma denominação, sem doutrinas de cunho humano, e sem dogmas!!


Por Cristo. Em Cristo. Para Cristo. Nos interesses de Sua Igreja.

.

novembro 03, 2010

Tolerância, liberdade e amor

.
Frequentes são as dúvidas em torno daquilo que podemos ou não praticar diante o ensinamento do evangelho de Cristo, da Palavra de Deus, ou como somos criticados pelo testemunho que trazemos de Cristo em nossas vidas por nossos atos e ações.

Porém, não podemos entrar em contendas sobre dúvidas; porque um crê que de tudo é lícito sabendo que nem tudo convêm, e outro, que tudo não convêm...

Mas, não se pode desprezar ao que tudo é lícito; e o que crê que tudo não convêm, não julgue a outrem; porque Deus o recebeu por Seu.

Quem somos, que julgamos o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar!

Precisamos estar inteiramente seguros em nossa própria mente; porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si; porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos ou morramos, somos do Senhor. Porque foi para isto que morreu Cristo, e ressurgiu, e tornou a viver, para ser Senhor!

Pois, todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo [2Coríntios 5.10], de maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus.

Assim que não nos julguemos mais uns aos outros; mas, é para proveito, nós como servos de Deus, julgar os atos de nossos irmãos ou das pessoas segundo a Palavra de Deus, pois está escrito: “Não julgueis segundo a aparência; mas julgai segundo a reta justiça” [João 7.24]; claro que esse julgamento não é para condenar ninguém, mas sim para a prevalência da Verdade do evangelho, sabendo que, o nosso propósito não seja pôr tropeço ou escândalo a quem quer que seja.

Estejamos certos no Senhor Jesus, que nenhuma coisa é de si mesma imunda, a não ser para aquele que a tem por imunda. Mas, se por causa daquilo que se crê que é lícito e que nem tudo convêm se contrista teu irmão, já não andas conforme o amor. Não destruas por causa da tua consciência aquele por quem Cristo morreu. Não seja, pois, blasfemado o vosso bem.

Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo. Porque quem nisto serve a Cristo agradável é a Deus e aceito aos homens” [Romanos 14.17,18].

Sigamos as coisas que servem para a paz e para a edificação, não destruindo por causa daquilo que se crê a obra de Deus; verdade é que tudo é limpo, mas mal vai para o homem que faz as coisas por escândalo; nem fazer outras coisas em que alguém tropece, ou se escandalize, ou se enfraqueça.

Tenhamos fé em nós mesmos diante de Deus; bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova; mas aquele que tem dúvidas, está condenado, porque não tem fé; e tudo o que não é de fé é pecado!!


Por Cristo. Em Cristo. Para Cristo. Nos interesses de Sua Igreja.
.