Adoradores...

Contexto SAGRADAS ESCRITURAS, 21.mar.2017, Mateus 18

Porque o FILHO do homem veio salvar o que se tinha perdido.
[Lucas 19.10,56; Mateus 9.12-13; 10.6; 15.24]
Que vos parece? Se algum homem tiver cem ovelhas, e uma delas se desgarrar, não irá pelos montes, deixando as noventa e nove, em busca da que se desgarrou?
[Lucas 15.4-7; Ezequiel 34.12; Mateus 21.28; 1Reis 21.17]
E, se porventura a acha, em verdade vos digo que maior prazer tem por aquela, do que pelas noventa e nove que se não desgarraram.
[Salmos 147.11; Isaías 53.11; 62.5; Jeremias 32.37-41]
Assim também não é a vontade de vosso PAI, que está nos céus, que um destes pequeninos se perca.
[João 17.12; Isaías 40.11; Zacarias 13.7; Mateus 5.16]

[036400]

novembro 20, 2011

Quais são as referências aos “dízimos” para a ‘Igreja’, em o Novo Testamento??

Nenhuma!! O ensinamento bíblico em nada faz referências a dízimos através dos apóstolos (considerados como as colunas, Gálatas 2) para a “Igreja” (edificada por Cristo, Mateus 16, que é diferente das instituições religiosas com nome de ‘igrejas’ criadas por homens);

Algumas poucas menções são feitas sobre dízimos em o Novo Testamento, e nenhuma delas diz respeito a “Igreja”:
- Lucas 18 diz sobre dízimo uma vez, na parábola do fariseu que a si exaltava por ser dizimista e do publicano que não dava dízimo, mas se humilhava perante Deus;

- Hebreus 7 diz sobre dízimos cinco vezes, porém, todas fazem referências ao Antigo Testamente, sobre Abrão que deu um único dízimo não de sua prosperidade, mas de despojo de uma guerra, e na Aliança de Deus com Israel;

Ressaltando que, o contexto de Hebreus 7 não é para se firmar os dízimos para a “Igreja” e sim de que, o sacerdócio de Melquisedeque era figura do sacerdócio eterno de Cristo.

- Mateus 23 diz sobre os hipócritas religiosos que davam dízimos (de alimentos), porém negligenciavam o mais importante para com Deus, “ o juízo, a misericórdia e a fé ”; religiosos estes, em o tempo da Antiga Aliança (Lei mosaica).
Quando analisamos em específico o assunto dízimos (que não é um assunto polêmico, mas sim, objeto de engano) e esta análise está através da Nova Aliança que Cristo consumou na cruz do Calvário, e, por conseguinte, fazendo, também a nós, gentios, participantes da glória de Deus, iremos tirar a seguinte conclusão:

– É imprescindível que se tenha consciência de que, os relatos de em o Novo Testamento trazem menção as duas Alianças que Deus preparou para a humanidade (aliás, este assunto é ab-rogado, ou, anulado, pelos pastores em seus ensinamentos).

Antiga Aliança – Aliança feita por Deus com a nação de Israel, compreende todo o Antigo Testamento até a crucificação e morte de nosso Senhor, pois, como Ele mesmo disse, “ Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir ” [Mateus 5], porquanto, Cristo veio ao mundo e em cumprimento a Lei dada a Moisés a nação de Israel, foi crucificado e morto;
A lei dada a Moisés é composta de todo o código de leis, formado por 613 disposições, ordens e proibições, tais como, guarda do sábado, carne de porco, vestimenta (os tzitziot, “franjas com nós”), homens não devem raspar o cabelo das laterais de suas cabeças e barbear-se com uma lâmina, dizer o Shemá Israel duas vezes ao dia, usar tefilin (filactérios) na cabeça, circuncidar todos os indivíduos do sexo masculino em seu oitavo dia, etc, sem nos esquecer dos dízimos.
Nova Aliança - Aliança que Cristo consumou na cruz do Calvário, compreende o Novo Testamente após a morte e ressurreição de nosso Senhor, como Ele mesmo disse, “ Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito ” [João 19], assim, Cristo cumpriu todas as coisas, através de Seu sofrimento e morte, tais como os rituais, cerimônias, preceitos que se faziam da Antiga Aliança, agora, a Igreja vive uma Nova Aliança:
- “ O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica ” [2Coríntios 3];
- “ Dizendo Nova aliança, envelheceu a primeira. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar ” [Hebreus 8];
- “ E por isso é Mediador de um novo testamento, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia debaixo do primeiro testamento, os chamados recebam a promessa da herança eterna ” [Hebreus 9];
- “ E a Jesus, o Mediador de uma nova aliança, e ao sangue da aspersão, que fala melhor do que o de Abel ” [Hebreus 12].
Enfim, são bem poucas as referências sobre dízimos em o Novo Testamento, e quando buscamos ainda mais, iremos ser agraciados pelo ensinamento bíblico de que em Atos e nas epístolas dos apóstolos, encontramos a ordenança de Cristo para Sua Igreja, e em nenhum momento se é feito referência ao ato de dar dízimos nas mãos dos obreiros [“ E Ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores ” - Efésios 4]...

... antes, o ensinamento bíblico é que na Igreja se faça coletas de ofertas para ajuda aos pobres e necessitados, com um particular, a questão de se requerer ofertas aos irmãos se encontra somente nas epístolas de 1Coríntios [16] e 2Coríntios [8,9], e que tudo quanto se for ofertar seja “ segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria ”.

Abrindo parênteses:

1 – A epístola aos gálatas, expõem a liberdade da pessoa que crê em Cristo com respeito a lei [rituais, cerimônias, preceitos, como os dízimos]; declarando que é somente pela fé que somos reconciliados com Deus;

2 - A orientação de Paulo em 2Coríntios 9 quanto ao ato de se contribuir, joga por terra todas as pregações que se fazem na maioria das igrejas evangélicas, por que, Paulo exorta ao ofertante que o faça não “ por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria ”...
... porquanto, os pastores mentem quando dizem que Deus irá prosperar quem ofertar para a manutenção das igrejas, sustento dos pastores ou aos patéticos programas televisivos evangélicos!!

3 - A verdade em torno de Hebreus que muitos pastores deturpam é que, esta epístola exorta aos novos crentes a não observarem mais rituais, cerimônias tradicionais e preceitos (como os dízimos), pois, em Cristo, eles já foram cumpridos.


Vivendo Por, Em e Para Cristo; nos interesses da Igreja que Cristo edificou.

.
[9466]

Nenhum comentário: