Adoradores...

Contexto SAGRADAS ESCRITURAS, 21.mar.2017, Mateus 18

Porque o FILHO do homem veio salvar o que se tinha perdido.
[Lucas 19.10,56; Mateus 9.12-13; 10.6; 15.24]
Que vos parece? Se algum homem tiver cem ovelhas, e uma delas se desgarrar, não irá pelos montes, deixando as noventa e nove, em busca da que se desgarrou?
[Lucas 15.4-7; Ezequiel 34.12; Mateus 21.28; 1Reis 21.17]
E, se porventura a acha, em verdade vos digo que maior prazer tem por aquela, do que pelas noventa e nove que se não desgarraram.
[Salmos 147.11; Isaías 53.11; 62.5; Jeremias 32.37-41]
Assim também não é a vontade de vosso PAI, que está nos céus, que um destes pequeninos se perca.
[João 17.12; Isaías 40.11; Zacarias 13.7; Mateus 5.16]

[036400]

setembro 18, 2011

A liturgia, a missa, o culto... e as reuniões em Cristo

.
Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação” [1Coríntios 14].

Nada como rituais, as reuniões relatadas e ensinadas pela Bíblia, dever-se-ão ser espontânea, com a participação de todos os presentes, vibrante, aberta, tendo Cristo o centro da adoração [“Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” – Mateus 18]; o que não podemos identificar nas reuniões chamadas de cultos pela maioria das ‘igrejas evangélicas’ (instituições religiosas com nome de igreja)...

A história mostra que o ritual católico, a missa, baseia-se no culto judaico, nos místicos rituais de purificação dos gregos, imergindo no paganismo e no drama grego;

Tal ritual católico plagia as vestes sacerdotais pagãs, o incenso, a água benta das purificações, uso de velas, a “lei canônica” sendo fundo para a “lei romana”;

E de certa forma, os cultos protestantes (ou evangélicos) seguem a mesma linha da missa católica, tanto é isto que, na “reforma protestante”, houve uma tímida mudança da liturgia católica, porém, infelizmente, nem católicos e nem protestantes tiveram em colocar a Cristo no centro de suas liturgias;

O culto protestante não se originou no Senhor, nos apóstolos, e muito menos em o Novo Testamento, pois, este culto reprime a participação mútua como descrito em 1Coríntios 14 (ápice do texto), porque todo o desenrolar do culto é dirigido por um único homem, desta forma, reprimem a liberdade do Espírito Santo operar em este ou aquele irmão ou irmã para trazer edificação a reunião.

É indiscutível que os cultos (de todas as denominações evangélicas) em nada têm alterado ao longo dos anos; sempre pela seguinte ordem:

- São celebrados e dirigidos por um único homem, com título eclesiástico, tendo o púlpito como seu “trono”;
- Fundamenta-se em especial em um sermão;
- Os outros membros em nada participam da celebração, e muito menos há permissão em tomar parte da direção, passivamente, ouvem e aceitam tudo o que é proposto pelo líder.

Mas, em o Novo Testamento não nos faz silenciar quanto as nossas reuniões que são dirigidas pelo Espírito Santo em nome de Cristo, onde todos participam, lêem as Sagradas Escrituras, louvam a Deus, ensinam a Palavra, todos os presente vivem em comunhão em participar ativamente, e, portanto, não podemos defender as tradições dos homens [“Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo” – Colossenses 2].

A esterilidade dos cultos evangélicos tem tornado suas reuniões fadonhas, a mesmice mantêm Cristo cativo, um Espectador da liturgia, nas coisas superficiais, onde o culto é aprisionado pelos “pastores”, imóveis, intocáveis, senhores religiosos de rituais...

... a liturgia (culto) protestante, evangélica, não possui portanto, respaldo bíblico, pois que, amordaça aos membros e direciona a um homem a liderança única, dilacerando o corpo de Cristo em tradições que silenciam ao Espírito Santo.

Não há possibilidades nenhuma de se afirmar que um púlpito seja o altar de Deus, e porquanto, de lá seja dirigido tudo a Deus por um único religioso, porque, das coisas de Deus, a direção é pelo Espírito Santo, onde, o “fogo se conservará continuamente aceso sobre o altar; não se apagará” [Levítico 6], nossos corações é quem são o altar de Deus, no templo do Espírito Santo, e quando nos reunimos, cada um de nós “tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação”...

... somos “pedras vivas, edificados como casa espiritual para sacerdócio santo, a fim de oferecer sacrifícios espirituais, aceitáveis a Deus por Jesus Cristo”[1Pedro 2].


Vivendo Por, Em e Para Cristo; nos interesses da Igreja que Cristo edificou.
.
[7707]

Nenhum comentário: